corona

Coronavírus faz funcionários de grandes empresas trabalharem em casa

Medo de disseminação do vírus nos EUA fez com que empresas como Google e Facebook pedissem a seus funcionários que, se possível, realizem suas funções remotamente.

A epidemia do novo coronavírus acendeu um alerta nas maiores empresas de tecnologia do mundo todo. Não só os fabricantes de eletrônicos praticamente pararam suas produções – grande parte dos componentes provém da China -, como os escritórios das grandes companhias começaram a dar sinais de que irão incentivar seus funcionários a trabalhar de casa após primeiros casos do vírus serem confirmados em Seattle, EUA. 

 

As primeiras a pedirem que seus funcionários fiquem em casa, devido ao risco de infecção foram a Amazon, Microsoft e o Facebook, esta última, inclusive, interrompeu todas as visitas sociais que são realizadas na sede da empresa por conta do surto. As três pediram para que seus empregados fiquem em casa pelo menos até o final do mês. Outras empresas também aderiram o trabalho remoto, entre elas estão o Twitter e Linkedin.

Ilustração tridimensional do coronavírus.

Medidas preventivas

Outra que também entrou em alerta, foi a Alphabet (companhia-mãe do Google) que inclusive anunciou a criação de um fundo para que funcionários temporários tenham acesso a licença médica remunerada em caso de apresentarem sintomas do COVID-19. Isso porque, nos EUA, funcionários podem ser demitidos caso não apareçam para trabalhar por estarem doentes.

 

Os 11 escritórios da gigante de tecnologia nos EUA e Canadá ficaram parcialmente fechados, uma vez que Chris Rackow, vice-presidente global de segurança do Google pediu para que os funcionários cujo cargo não demande presença física na empresa, permaneçam em casa e trabalhem remotamente.

 

Além disso, o governo norte-americano anunciou a suspensão de todas as viagens para a Europa, a fim de evitar a propagação do vírus no país.

 

Na Alemanha, as empresas do setor automotivo fecharam seus escritórios e deram laptops para que seus funcionários trabalhem remotamente. O grupo de mídia OMG, na Inglaterra, assim como a empresa de publicidade Dentsu, no Japão, também instruíram seus funcionários a ficarem em casa.

Eventos Cancelados

Responsáveis pelo anúncio de novidades no mundo tecnológico, conferências e grandes eventos foram cancelados no início do mês após o medo de infecção pelo coronavírus se espalharem para novos países além da China.

 

O Google cancelou seu maior evento anual, o I/O, que todo ano apresenta as novidades da companhia em relação aos seus produtos e ao sistema operacional de smartphones, o Android.

 

Assim como a conferência anual de desenvolvedores do Facebook,  F8 2020, que também foi cancelada por conta das crescentes preocupações em torno da disseminação do vírus no mundo todo.

Conferência I/O realizada pelo Google em 2019

Situação no Brasil

Atualmente no país, a situação permanece inalterada. No estado de São Paulo, grandes festivais e shows continuam de pé, enquanto a recomendação da Secretaria de Saúde é de que, em caso de suspeita de infecção pelo vírus, a pessoa fique de quarentena em casa até que a doença seja detectada ou não.

 

Já no Distrito Federal, o governo do estado suspendeu as aulas em escolas e obrigou a restaurantes e bares, por exemplo, a dispor mesas com pelo menos 2 metros de distância, medida para evitar o avanço da contaminação.

 

Os escritórios da Nestlé, no Brasil, pediu para que seus funcionários evitem viagens de negócios, trocando por outras formas de comunicação, além de recomendar que funcionários residentes de locais onde há suspeita de contaminação pelo vírus, trabalhem de casa. A empresa ainda diz que está implementando medidas de biossegurança nas fábricas, escritórios e locais de distribuição. 

Bruno Oliveira
Social Media