ONG lança campanha sobre abuso contra as mulheres no mundo dos games

Youtubers homens usaram o nickname feminino para mostrar o que acontece

Com a ação “#MyGameMyName”, a ONG Wonder Women Tech (WWT) resolveu mostrar o assédio cometido contra as mulheres no mundo dos gamers, um mercado que, atualmente, já é maior que o de Hollywood. Para isso, foram escolhidos alguns dos Youtubers de destaque desse universo virtual, como os do canal Pipocando, com mais de três milhões de inscritos.

Utilizando nicknames femininos, todos os jogadores (propositalmente homens) tiveram a mesma experiência: insultos. Xingamentos como “você não pode pilotar esse carro, vai pilotar o fogão” e “mulheres não têm direitos” foram marca registrada. As garotas que jogam online preferem utilizar nomes masculinos para divertirem-se tranquilamente, sem preocupações em serem deixadas de lado por serem mulheres ou desqualificadas pelo mesmo motivo.

Pensando nisso, o nome da campanha traz o empoderamento da mulher, ao implicar uma mensagem do tipo “o jogo é meu, e o nome também”, encorajando estas garotas a colocarem, sim, o próprio nome e, com a campanha, conscientizar os homens que as assediam a não fazerem isso. “Não é justo que uma menina esconda sua própria identidade só porque algumas pessoas não sabem se comportar quando jogam com uma garota ou mulher”, explica Lisa Mae Brunson, da WWT; A campanha foi divulgada no Youtube, e todos os youtubers participantes divulgaram, também, nos próprios canais.

Heloise Meirelles é
Social Media na W3.0